Ouça agora na Rádio

Ouça agora

Delegado de Sananduva diz que depoimento de homem que enterrou a mulher foi contraditório

Postado em 24/04/2019 por

Compartilhe agora.
Rádio Tapejara

O corpo de uma mulher de 65 anos foi encontrado enterrado no pátio da casa em que ela morava com o marido, um homem de 76 anos, em Sananduva, no Norte do Rio Grande do Sul. A operação foi realizada na manhã desta terça-feira (23), com ajuda do Corpo de Bombeiros, após a Polícia Civil obter autorização judicial para cumprir os mandados de busca e de prisão temporária do homem, apontado como suspeito.

A vítima foi identificada como Leodovina Corassa. O delegado responsável pelo caso, Hugo Rigo Junior, disse que investiga crime de feminicídio.

"e;[O corpo] estava em uma cova coberta, embalado em sacos plásticos. Ela estava com as mãos amarradas e havia uma camisa enforcando o pescoço. Tinha também um pouco de sangue no rosto"e;, disse o delegado, acrescentando que a provável causa da morte é enforcamento. Mas laudos da perícia ainda são aguardados.

A Polícia Civil começou a investigar o caso como desaparecimento, depois que pessoas procuraram a delegacia para relatar a ausência de Leodovina, vista pela última vez no sábado (20). Alguns depoimentos levaram a polícia a suspeitar do marido.

"e;Ele pediu para vizinhos uma pá para fazer um canteiro, e também já tinha alguma suspeita de que ele andou lavando a casa por dentro, inclusive um colchão, e posteriormente, durante o sábado, foi notado que o canteiro da frente da casa estava totalmente coberto. Ao mesmo tempo, ele comentou com vizinhos que a esposa, que teria alguns problemas psicológicos, havia sido internada"e;, conta o delegado.

Algumas testemunhas comentaram que a mulher tinha depressão e já havia sido internada, mas a polícia ainda não tem informação concreta sobre a saúde dela. Conforme a polícia, não havia registros de ocorrência envolvendo o casal.

Depoimento confuso

O conteúdo dos relatos fez com que a polícia procurasse o homem para ouvi-lo. Alguns diziam que o marido comentou que a mulher voltaria viva ou morta do local em que estava.

"e;Vimos fortes indícios que havia alguma coisa errada. Estivemos na casa dele, ele nos recepcionou, e notamos cheiro forte de sangue. Havia um colchão que ele admitiu que era dela [Leodovina] e ele havia jogado água e colocado na janela para arejar"e;, disse o delegado.

"e;Vimos que a história era muito estranha, e convidamos ele a ir na delegacia, passamos a falar com ele lá, e ele sustentava a história"e;, acrescenta. Foi então que a polícia solicitou os mandados à Justiça.

Depois de o corpo ter sido encontrado, o homem não falou novamente à polícia, o que ainda deverá ser feito formalmente. Ele foi levado ao Presídio Estadual de Lagoa Vermelha. O delegado estuda pedir a prisão preventiva do suspeito.

Rigo ainda não tem informação se o homem tem algum advogado, ou se será representado por um defensor público. O delegado acrescenta que o casal estava junto há cerca de 40 anos e não tinha filhos.

Uma nova perícia será realizada na casa, com luminol, substância usada para detectar vestígios de sangue.

Rádio Tapejara

Link da Notícia

Deixe um comentario

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.