Ouça agora na Rádio

foto-locutor

Buscando...

Buscando...

Destaques

Locais/Regionais

Compartilhe agora

Caso Rafael: polícia já ouviu mais de 30 pessoas sobre morte do menino no Norte do RS

Postado em 12/06/2020 por

img-page-categoria

*Fonte imagem : Caso Rafael: polícia já ouviu mais de 30 pessoas sobre morte do menino no Norte do RS*


Rádio Gaúcha

Mais de 30 pessoas prestaram depoimento à Polícia Civil sobre o assassinato de Rafael Mateus Winques, 11 anos, em Planalto, no norte gaúcho. Segundo a Polícia Civil, entre elas estão familiares mais próximos, professores, a diretora da escola, pais de amigos do garoto e o namorado da mãe. Alexandra Dougokenski confessou ter matado o filho e ocultado o cadáver.

Uma força-tarefa de delegados reforça a investigação, na tentativa de elucidar o crime e dar conta da grande quantidade de versões ouvidas. Algumas pessoas foram chamadas a depor mais de uma vez: Alexandra, seu namorado, a avó e o irmão de Rafael. 

Além do delegado de Planalto, Ercílio Carletti, está na cidade a delegada Caroline Bamberg, responsável pela investigação do caso Bernardo Boldrini, o diretor de investigações do Departamento de Homicídios, Eiberth Moreira Neto, e a delegada Aline Palma, que trabalha na região. As ações da força-tarefa ainda são coordenadas com o Ministério Público.

A próxima semana deve ser decisiva na investigação, quando deve ocorrer a reconstituição do crime, com especialistas do Instituto-Geral de Perícias (IGP), de acordo com o diretor do Departamento de Polícia do Interior, delegado Joerberth Nunes. Os peritos pretendem realizar o trabalho durante a madrugada, para simular a mesma luminosidade do dia dos fatos, e um boneco do mesmo tamanho de Rafael será usado.

Segundo o diretor da Polícia Civil, faltam ainda o resultado de alguns laudos periciais sobre o crime. Depois disso, os delegados terão condições de tornar público os detalhes da investigação.

— Nesta semana, chegarão os vários laudos periciais dos aparelhos telefônicos analisados e periciais em geral. Laudo de necropsia, DNA e laboratoriais — resumiu o delegado.

Desde 25 de maio, quando a mãe do garoto revelou a localização do corpo, após mais de 10 dias de busca sem que ela tivesse admitido a morte, investigadores tentam desvendar se ela agiu sozinha.

Relembre o caso

Rafael desapareceu em 15 de maio, em um mistério para a população de Planalto. A mãe dizia que ele havia saído de casa e ninguém mais havia o visto. Dez dias depois, com intensas buscas do Corpo de Bombeiros e Brigada Militar, ela revelou em um longo depoimento que matou o filho e escondeu o corpo. 

A própria mulher levou os agentes até a localização do cadáver — que estava em uma caixa de papelão numa casa vazia ao lado da sua. Os proprietários estavam viajando e disseram que nada viram.

A versão da mãe é de que medicou diazepam para o garoto, que estaria agitado, mas ele passou mal. O advogado dela, Jean Severo, diz que “desesperada”, ela enrolou o garoto em uma corda e o arrastou para esconder o corpo.

Um laudo do Instituto-Geral de Perícias, no entanto, confirmou a morte por asfixia, o que contraria a versão da mulher. A defesa contrapõe argumentando que isso ocorreu enquanto ela transportava o corpo. A versão não convence os investigadores.

Rádio Gaúcha

Link da Notícia

Deixe um comentário

Ao enviar um comentário você concorda com nossas politicias de comentários, saiba no link ao lado. política de comentários