Ouça agora na Rádio

foto-locutor

Buscando...

Buscando...

Locais/Regionais

Compartilhe agora

Justiça determina interdição do Presídio Central de Porto Alegre devido ao avanço do coronavírus

Postado em 22/07/2020 por

img-page-categoria

*Fonte imagem : Justiça determina interdição do Presídio Central de Porto Alegre devido ao avanço do coronavírus*


GaúchaZH

A Vara de Execuções Criminais (VEC) determinou a interdição do Presídio Central de Porto Alegre, por 15 dias, em função do avanço do coronavírus. A cadeia é a maior do Rio Grande do Sul e abriga 4.160 presos em espaço projetado para 1,8 mil, segundo dados de abril da Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe).

Conforme a direção do presídio, há três casos confirmados de coronavírus no local. O primeiro foi diagnosticado em 16 de julho e os outros dois na última segunda-feira (21).

Na decisão, a juíza Sonáli da Cruz Zluhan determina que não podem entrar novos presos na cadeia, assim como proíbe a movimentação interna de detentos, evitando contato entre as galerias e com funcionários que trabalham no local, como tentativa de minimizar a contaminação.

A juíza afirma que visitou o presídio na segunda-feira (20) e constatou que “mais de um apenado já se encontra com sintomas de covid-19, bem como alguns já foram testados positivo para o vírus”. Ela ainda diz que o médico da cadeia esclareceu que “quando mais de um preso, em mais de uma galeria, está contaminado, é indicação de que o vírus já está na casa prisional e pode se alastrar rapidamente”.

A magistrada também diz que o presídio “não possui local disponível para atender uma grande demanda de presos com covid, que necessitam de isolamento e medicação, sendo que somente algumas áreas da CPPA (sigla de Cadeia Pública de Porto Alegre, nome oficial do presídio) foram disponibilizadas para tal fim”.

“Tal interdição tem como finalidade apurar, com a maior precisão possível, os presos que já estão contaminados, evitando que novos apenados que adentrem o estabelecimento também se contaminem, o que causaria uma grande demanda de atendimento, inclusive hospitalar em alguns casos, sendo que não há leito suficiente e tampouco local de isolamento”, afirmou Sonáli. 

A juíza ainda pondera que “todos os hospitais estão trabalhando com uma enorme demanda, estando o sistema de saúde já sobrecarregado” e que “o hospital de campanha prometido pela Susepe não foi construído”. 

A VEC também levou em consideração a estrutura do presídio. O Central possui pavilhões com galerias, sem separação por cela, sendo que as mais lotadas tem mais de trezentos presos recolhidos. “Assim, a contaminação em massa na CPPA seria, no mínimo, desastrosa e em proporções incontroláveis”, avançou a magistrada.

A decisão judicial coloca um prazo de 15 dias para que seja avaliado se o presídio já tem condição de ser desinterditado.

GaúchaZH

Link da Notícia

Deixe um comentário

Ao enviar um comentário você concorda com nossas politicias de comentários, saiba no link ao lado. política de comentários